quinta-feira, 29 de maio de 2008

Meu irmão é o homem-aranha

Estou colocando algumas prateleiras em meu quarto. Uma delas, de 91 x 60 cm, estava encostada na parede, em paralelo com a porta. Saí do quarto quando, ainda com a mão no batente, a porta bateu com força. A madeira caiu (como?), empurrou a porta e a travou. Ha!
Perfeitamente trancada: as dobradiças estão do lado de dentro junto com todas as minhas roupas, minha cama, minha escova de dentes. Mas meu irmão é o homem-aranha e munido de uma corda e uma escada baixinha desceu em rappel pela clarabóia do meu banheiro.

Thanks ;-)

quarta-feira, 28 de maio de 2008

Oh my God!

Mais uma da série "Ai meu Deus do Céu, Ai minha Vigi Maria"

OH - MY - GOD!
[Com a entonação e pronúncia pausadas de Janice (Friends).

Ele
está por aqui e ainda surte efeito sobre mim. Como não é daqui e mal aparece por aqui (que tristeza!), a coisa fica difícil. Flertar é uma delícia. As borboletinhas no estômago são uma sensação que não tenho com a freqüência que gostaria de ter. Os olhares, os toques, os abraços deliciosos. Mas as combinações de almoço, de cervejas, de coisas nunca saem dos planos. E fato é que ele não mora aqui e mal está por aqui.
OK. Nesse caso só resta desencanar, parar de sonhar acordada, certo? Certo!
Quase certo...

Um belo dia descobri que ele está namorando. O dia continuou belo, não ficou nublado. Ufa! Deve estar "passando" - o desencanar parece estar acontecendo.

Mas (na história do Brasil e na minha sempre existe um "mas"), a "ordem" foi dada pelo racional, é claro. Quem disse que o emocional acompanha?
Até ontem eu acreditava que tinha passado. Não é que eu estivesse sofrendo ou passando mal ou nada parecido e que a cura me fez ficar mais feliz. Eu apenas há muito tempo sequer me lembrava de sua existência. Pronto. Simples. Só isso.
Até ontem...

Uma simples frase ("- Ah, ele estará aqui amanhã") fez todos os sentimentos de adolescente apaixonada voltarem em ebulição completa, as anteninhas ficarem ligadas, a imaginação fazer um retrato perfeito dele de forma instantânea. Mas passou. Fui para casa, fiz coisas, dormi, acordei, sai, blá-blá-blá (Whyscas sachê) sem nem lembrar desse fato. Até que o vi, o cumprimentei, o olhei nos olhos...
Aaaaaaaaaaaaaai! Só me resta suspirar...

*suspiro!!!*

Já desisti de querer que passe. Vou mais é curtir cada abraço, cada toque, cada olhar e cada sorriso. Sentir prazer é muito bom. Seja da forma que for e quando for. E mesmo que seja só para mim, sem compartilhar (o que seria muuuuito melhor, vejam bem!).
Decidi que vou curtir as borboletinhas mesmo sabendo que não irão sair do estômago. E torcer, já que a esperança é a última que morre, que na próxima vez em que elas aparecerem o mesmo fenômeno se repita também em um estômago alheio.

***

Este aqui também foi inspirado nele...

terça-feira, 27 de maio de 2008

Saudades

Da vontade de escrever. Da inspiração. E da minha máquina fotográfica que entrou em greve. Faz falta...

sexta-feira, 23 de maio de 2008

Exótico

e.xó.ti.co
(z), adj. 1. Diz-se do animal ou da planta que não é natural do país onde vive. 2. Procedente de país estranho. 3. De mau gosto. 4. Desajeitado. 5. Esquisito, extravagante.

(Dic Michaelis UOL)

Alienígena

a.lie.ní.ge.na: adj. e s., m. e f. De origem no estrangeiro; estranho, forasteiro.
(Dic Michaelis UOL)

quinta-feira, 22 de maio de 2008

Piquenique



Ontem fui conhecer o Parque Estadual Ecológico do Tietê. Finalmente! Há anos sua existência se evidencia cada vez que vou ao aeroporto de Guarulhos, mas cadê lembrar dele quando há tempo livre?
Foi então que tudo deu certo: Dri sugeriu um almoço entre amigos, Cardosinho sugeriu um piquenique e ai veio o toque final: o parque que todos quatro queriam conhecer. Olha só o tamanho do sorrizo :-D.


segunda-feira, 12 de maio de 2008

The animals save the planet

Recebi de uma amiga o link para vários videos produzidos pelo Animal Planet para alertar a população sobre questões de meio ambiente, como uso racional da água, emissão de CO2, uso de sacolinhas plásticas de supermercado e assim vai.
Adorei e gostaria de compartilhar.


sábado, 10 de maio de 2008

Alfama


Deve ser o primeiro bairro da cidade dos sete montes, Lisboa. Vielas, ladeiras, escadas, rampas e elevadores fazem parte dele. Dos elevadores (que são 4), falarei em outro momento.
Em Alfama há muitos restaurantes pequenos com menus turísticos (entrada + prato principal + vinho ou cerveja ou água) por preços muito atrativos. Há também a feira da Ladra, ao lado do Panteão Nacional e de São Vicente de Fora. Na feira, antiguidades e pessoas que vendem muito barato roupas, sapatos e objetos que não querem mais.
Vou deixar as fotos falarem por mim.

Castelo de São Jorge


O primeiro passeio na capital portuguesa, numa tarde de segunda-feira (enquanto os outros estão presos no trabalho, hehehe). Adorei, talvez seja o que mais gostei em Lisboa. Havia lá um guitarrista chamado Pedro Goudinho, que tocava no centro do Castelo, com uma acústica fantástica. Comprei o CD. Pena que entrei muito tarde no periscópio. A falta de luz do entardecer prejudicou a visibilidade, mas deu para perceber que essa invenção de Da Vinci funciona bem.

video
Alfonsina my el mar, interpertado por Pedro Godinho





Ficha técnica:

Clique nas fotos para ampliar.

Relances de Lisboa


Elétrico 28: do Campo Ourique ao Castelo de São Jorge e Alfama.
Para ir a Belém, peguei o 25 até Santos e outro de lá.


Pertinho do Castelo de São Jorge


Espaço é um luxo cada vez maior na vida moderna. Em Lisboa, sempre foi. Quem não tem lavanderia, se vira como pode. Chega a estender a roupa lavada acima da cabeça dos comensais. Para mim, pitoresco. Para eles, normal.


Tá apertado?

Botero - Parque Eduardo VII

Segredos

Lisboa


Clique nas fotos para ampliar

Portucália


Imagino que todos já devem ter ouvido alguma vez que "só dá para entender o Brasil depois de conhecer Portugal". Não posso dizer que conheço Portugal, tive uma pincelada, daquelas boas que dá vontade de voltar e conhecer mais, muito mais. Fui muito bem recebida por minha amiga e seu quase marido (contagem regressiva!!) e por todos os outros portugueses com quem falei, ainda que fosse por poucos instantes. Um povo que vive bem, sem o excesso de rigor característicos de outros povos europeus, bem latino e meio desencanado, feliz, de bom humor, gentil com estranhos. Uma gente que conhece tudo que há em volta e consegue dar informação de praticamente tudo. Adorei andar de elétrico 28 e 25, conhecer o Catelo de São Jorge no fim de tarde com um lindo pôr-do-sol no Tejo, Alfama, a Praça do Comércio, Belém, o Mosteiro dos Jerônimos e todos os pequenos dealhes que absorvi intensamente em 2,5 dias de visita. Ai a Pri pegou a quinta e a sexta livres, fomos para Cascais, para a costa, Portinho de Arrábida, Sesimbra e seu castelo... E pela estrada cheia de curvas acompanhando o litoral chegamos a Sintra e ao Castelo dos Mouros. Nunca tinha visitado tantos castelos em apenas uma viagem, parece que é o que mais há por lá. Passamos por vinhedos, pegsamos estradas que não eram as corretas mas que tinham paisagens bonitas, sentimos o vento no Cabo da Roca - o ponto mais ocidental da Europa. Simplesmente inesquecível!

Voltei

Ufa, acabou mais um encontro de gestores que, para não perder o costume, me deixou completamente exausta.
Nem sei o que quero escrever primeiro, há muitos assuntos atrasados.