sexta-feira, 10 de outubro de 2008

Spam, spam, spam, spmaaaaaaaaam!!!!

Já que da internet nasceram os e-mails não solicitados e indesejados, houve a necessidade de chamá-los de algo. A palavra escolhida foi spam.
Mas será que ela se aplica apenas à internet?
Na minha opinião, não. Toda e qualquer abordagem comercial que não posso declinar para mim é spam.
Você já recebeu chamadas telefônicas que são gravações de políticos pedindo seu voto? Eu não as atendi pessoalmente, portanto foram parar em minha secretária eletrônica. Spam.
Que tal os torpedos que as próprias operadoras de celular enviam com supostas promoções interessantíssimas? Eu não consigo dizer “não, obrigada” a elas. Portanto: spam.
Sua caixa do correio fica tão abarrotada de folhetos de pizzarias, supermercados, desentupidoras, alfaiates e afins que quando o correio passa não há espaço para as cartas? Spam.
E os folhetos que “distribuem” e nem se dão ao trabalho de colocar na caixa? Hoje vi um rapaz fazendo isso logo cedo – na falta de portão para encaixar o panfleto, jogou no chão da porta da casa mesmo! Ele deve pensar (se é que pensa...): “vamos evitar a fadiga...”. Spam e lixo, dois em um. Vejam só, estamos nos aprimorando!!! [E isso porque hoje a maioria deles já vem com uma mensagem impressa dizendo para não serem jogados em via pública – hahahaha.]
Carro parado na rua? Que legal, é só simpaticamente deixar os folhetos debaixo da palheta do limpador de pára-brisas. Nem atrapalha nadinha mesmo...Quem quer visibilidade para dirigir? Ou: quem mandou não tirar de lá antes de entrar no carro? Agora não são mais da empresa, certo? São seus! Azar o seu que não estava lá na hora para recusar tão gentil oferta... Se chover então, que delícia! Pura diversão.
Em casa temos o azar de contar com a “ajuda” do vento, que leva todos os folhetos, cartões, copinhos de café, tucas de cigarros, papéis de bala diretamente para onde? Para a porta da minha casa, para a lavanderia, para cima do ralo que depois não consegue cumprir sua função se chover em seguida.
Você já reparou que se estiver na porta de casa ou entrando no carro quando um desses gentis seres lotado de folhetos passa, eles “pulam” você? Até eles têm vergonha do que fazem...
Ao menos quando me abordam andando na rua ou parada em algum farol eu posso ser educada e dizer “não, obrigada”.
As empresas deveriam repensar seriamente isso que acham ser ótimas ações publicitárias. Está mais que provado que esse tipo de comunicação é ineficiente. Se tudo corre bem, há um retorno de 1%. UM POR CENTO! Quanto desperdício... E depois falam em sustentabilidade, em Natureza, em preservar o meio ambiente, em cidadania... Para melhorar, só mesmo se imprimissem esse lixo todo em papel reciclado.
Deixo uma sugestão: que tal incluir panfletagem como parte da lei cidade limpa? Adoraria que tudo isso fosse proibido. Bueiros, córregos, favelados, árvores, florestas, nosso ar e eu agradeceríamos do fundo de nossos corações!

4 comentários:

isaBela araújo silvA disse...

adorei seu texto, seu desabafo, suas conclusões e sua sugestão. voto em vc elena! e nem precisou me mandar um spam! hahahaha.

Anônimo disse...

Assino embaixo.
Taubrós!?

Pri Guti disse...

Oi Ele, depois que comecei a escrever em blog, eles se multiplicaram na minha caixinha, um horror!!!!!!

Elena sem H disse...

Oi Pri

Agora que você menciona isso reparei que também aqui aumentaram bastante depois do blog...
Hunfp!